quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Ao meu (ex)amor




O tempo passa. Mesmo quando isso parece impossível.
Mesmo quando cada dia que nasce e se vai parece arrancar ainda mais dor do meu coração.
Passa de modo inconstante, entre calmarias e tempestades. Até para mim.
Minha vida perdeu o sentido. Eu não consigo encontrar forças para continuar, você era a única razão pela qual eu ficava de pé, que me colocava na direção certa. Que me permitia caminhar.
Cada dia que passo preso a essa dor é como uma tortura eterna, um castigo que tenho de suportar, por não saber o valor de quem estava ao meu lado.
Verdade seja dita, eu sei que o que fiz para você não tem perdão, vou me culpar até o fim dos meus dias por ter sido tão cruel, tão insensível, tão distante de você.
Se eu pudesse voltar no tempo e reescrever nossa história, eu faria tudo diferente.
Eu pensaria em cada palavra certa para dizer o quanto eu amo você.
Talvez eu deixasse o orgulho de lado e me permitisse pedir desculpas quando estivesse errado. Simplesmente tentaria ser o melhor, ser o amigo leal, o namorado ideal.
Não há como explicar a dor que eu estou sentindo, não há como demonstrar a culpa que carrego no meu coração.
Hoje eu busco o equilíbrio para me recompor.
Torço para que tenha sabedoria e quem sabe um dia consiga me perdoar.
Eu espero que onde você esteja, se um dia você ler esta carta, saiba que eu sinto muito.
E que eu desejo que onde você estiver você seja feliz.

Caminhe




Vou seguir sem ou com, dentro ou fora, sorrindo ou chorando, eu vou seguir sempre porque nunca me disseram que seria fácil e não me importo por ser tão difícil, não vou carregar o que não aguentar, vou saber selecionar e levar comigo pesos leves, vou levar comigo quem souber somar também, nunca fui egoísta de sentimentos mas sempre acreditei tanto e no final me decepcionei, então agora vou inverter, vou pensar mais em mim, eu vou seguir.
Amar alguém é dividir momentos bons e verdadeiros, mas a vida não pode parar quando se ama, a vida precisa andar e nunca deixar de pensar nas nossas realizações e nas nossas escolhas, amores vem e vão e na maioria das vezes que vão não nos levam junto. Estou seguindo e pelo caminho vou aprendendo uma lição, vou aprendendo que nem todos que te abraçam querem seu bem, nem todos que te beijam fecham os olhos, nem todos que dizem amar amam de verdade. Vou ser feliz e quem quiser me acompanhar aperte o passo, eu tenho pressa, eu quero deitar no lugar mais alto possível e ficar olhando a lua até ela ir embora, e quando ela for eu quero continuar tranquilo e me levantar somente quando eu sentir vontade. Tem certas horas que é preciso desintoxicar o coração por excesso de pessoas com falso amor.
Desintoxicar o coração pra viver melhor, com saúde, paz e tranquilidade, é disso que estou falando, faz a sua parte e ame de verdade, não espere de outro alguém mais do que um eu te amo verdadeiro, espere sempre menos de quem estiver com você, porque se algum dia alguém verdadeiramente te amar vai ser uma surpresa e boa. Amor recíproco tá extinto meu caro, e quando ele existe a vida dura muito, é tão lindo não acha? Ver dois velhinhos andando de mãos dadas pelas ruas e quando alguém sem amor passa dão gargalhadas como se dissessem que é uma bobagem mesmo depois de velhos andarem de mãos dadas e se beijarem. Mal sabem que a noite eles deitam pra dormir juntos, e quem riu fica mendigando amores por aí, ou serve somente pra sexo.
Desejo um dia alguém passar pro mim e rir ao me ver segurando a mão do meu amor, seja com 60, 70, 80 anos de idade, porque o importante é segurar a mão, a partir do momento que a gente soltar o mundo, não pode largar a mão do outro jamais. Seguir sempre, com alguém, sem alguém, o importante é não parar de caminhar e seguir!

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Humildade é a chave!



Humildade vem do Latim humus que significa "filhos da terra".
Refere-se à qualidade daqueles que não tentam se projetar sobre as outras pessoas, nem mostrar ser superior a elas.
A Humildade é a virtude que dá o sentimento exato da nossa modéstia, cordialidade, respeito, simplicidade, honestidade e passividade.
Quanto maiores somos em humildade, tanto mais próximos estamos da grandeza.
Mais importante que adquirir uma grande sabedoria é a humildade na hora de transmiti-la.
Ambição não é ruim, desde que não haja excesso.
Não importa o quão importante seja sua missão, nunca vale a pena conquistá-la passando por cima de outras pessoas.
Cada dia é uma chance pra ser melhor que ontem, o sol prova isso quando cruza o horizonte.
A esperança na mochila eu ponho, quanto tempo a gente ainda tem pra realizar o nosso sonho?
Não posso me perder, não, vários trocaram sorriso por dinheiro, hoje estão vagando na multidão.
Já que o Rei não vai virar humilde, eu vou fazer o humilde virar Rei.

sábado, 22 de dezembro de 2012

É para você, você sabe.



Poderia começar contando a nossa história de outra forma, com um brilho no olhar e um sorriso leve no rosto. Se tudo não tivesse nos tocado tão fundo e não tivesse nos machucado tão internamente. Poderia dizer que tive dias de glória, dias de amor, de carinho.De reciprocidade.
Mas nada (e me perdoe por isso também), nada que se compare ao fim. Se é que posso me referir as coisas belas como um começo. É confuso, eu sei. Também está sendo muito confuso para mim ter que externar esses sentimentos que há tanto tempo se mostram camuflados. Ainda não falei metade de tudo que sinto, ainda não externei nada comparado ao tanto que me dói. E não dói pouco.
A culpa trilha caminhos tortos, assim como o amor que não mais podemos alcançá-lo. Escapou. Desapegou. Fugiu. De mim, de nós. Se é que um dia teve realmente um nós ou tudo não passou da minha imaginação. Como areia, escorreu entre meus dedos, o que nossas atitudes não conseguiram agarrar pelo tempo que queríamos/esperávamos.
Erramos. Consertamos e erramos de novo. Um ciclo vicioso. Uma dor sem pausas, sem fim nem começo. Como uma ferida que não sabemos se é bom deixar livre ou se devemos colocar um esparadrapo. Resolvemos deixar em aberto. Vem alguém e esbarra na ferida. Dor aguda. Dor latente.
E do início sem começo, faço nosso fim, sem um final. Porém com uma dor que transborda os olhos e invade nossa alma. Um adeus sem um tchau.

O e-mail




Abri minha caixa de e-mail, cliquei em escrever novo e-mail, digitei seu nome logo apareceu seu e-mail. Cliquei no campo assunto e fiquei ali por um tempo sem saber o que colocar, resolvi deixar em branco. Comecei a escrever o e-mail com aquelas cordialidades que toda regra de etiqueta nos ensina, mas no fundo só queria saber como você está
Perguntei pelo que tem feito, mas queria perguntar se ainda tem pensado em mim. Chorei ao pensar que talvez não, não sei por que logo agora tive essa crise de saudade de você, até ontem você estava enterrada no meu passado. Foi uma carência que me bateu do nada e do mesmo lugar que ela veio foi embora.
Quando a crise passou reli o e-mail e decidi não enviar, pelo bem que conheço da nossa história essa seria a brecha pra você voltar a fazer parte da minha vida. E nesse momento o que não preciso é trazer tudo volta. Deixa como está, tudo dentro daquela caixa que escondi no fundo do armário.
Sei que se tivesse enviado o e-mail ficaria ansioso pela sua resposta e talvez ela nunca chegasse a mim, como um dia a sua confiança do meu amor por você que tanto esperei não chegou. O meu lema agora é não criar expectativas, é uma lição a cada dia e quando estou fazendo algo que me leva justamente a confrontá-lo paro e penso se vale à pena, me desculpa, mas hoje não, com toda dor no coração eu sei que pelo menos por hora não vale à pena reabrir aquela brecha que sempre deixei aberta, então e-mail descartado.

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

E sobre a paixão?



Naquela noite ele não conseguiu dormir, a insônia e o excesso de pensamentos havia lhe atacado novamente e, por mais uma vez, sentiu aquele enorme vazio em seu peito, que ás vezes insistia em tomar conta de seu coração. Olhou para o céu, como se procurasse por algo que lhe fizesse sentido e, no brilho das estrelas, ele finalmente encontrou o seu refúgio...

Nos céus ele encontrou tudo o que na terra não pode encontrar, e mesmo sabendo de sua insignificância perante o universo, ele não se importava, pois, quando olhava para aquele firmamento, ele se sentia parte de algo muito maior do que ele próprio, ele se sentia completo, como há muito tempo já não sentia mais... Não sabia como, nem mesmo o porque, mas de algum jeito, sentia que ali, naquela imensa vastidão, ele poderia encontrar as respostas de todas as suas perguntas, e quem sabe um dia até, poder encontrar também a cura para todo aquele vazio que queimava o seu peito dia após dia.
O mundo ou o próprio tempo já não lhe importava mais, seus olhos agora focavam apenas o infinito...
Dentre todas as coisas daquele céu, havia uma que ele mais admirava, era a lua. Era magnífico para ele poder admirar o seu brilho, poder sentir a sua luz preencher aquela lacuna em seu peito e sentir o reflexo de toda aquela beleza refletindo em seus olhos... Mas também era triste, pois sabia que, por mais que tentasse, nunca poderia tocá-la...
O tempo passou e ele pode ver então, o quão amarga pode ser a distância. Seu refúgio, agora se encontrava em um copo de bebida, afogava suas mágoas nos bares que encontrava pelas ruas, na triste tentativa de esquecer um pouco das dores que carregava em seu peito, mas no fundo, ele sabia que isso era simplesmente impossível, pois todos os dias, ao cair da noite, a lua e as estrelas vinham, somente para lembrá-lo de seu fracasso...
"E se apaixonou então pela lua, sem saber que aquilo seria o seu fim..."

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

E sobre a infância?


A vida é mesmo estranha, quando crianças, passamos o tempo inteiro imaginando (e sonhando) em nos tornamos adolescentes,  e quando finalmente chegamos a aclamada adolescência em que tanto esperávamos, começamos a imaginar (e sonhar mais uma vez) com a chegada dos tão esperados 18 anos,  para depois descobrir que nada mudará com a maior idade, ou pelo menos, nada será como você tanto esperava...
Passamos a adquirir responsabilidades, compromissos e tarefas, que na maioria das vezes não teremos a mínima vontade de realizá-las, mas mesmo assim teremos que fazê-la. Entramos em uma rotina que se prenderá em nossas vidas pelo resto da mesma, para muitas pessoas a vida girará apenas em torno de trabalho e dinheiro. Com o tempo, todos seus amigos aos poucos irão embora, aquele seu amigo de infância que esteve sempre ao seu lado, aquela sua vizinha na qual você passava as tardes com ela sentado na calçada de casa conversando. Encontrá-los irá se tornar cada vez difícil, pois todos começarão a seguir suas próprias vidas. E nesse momento, lágrimas escorrerão pelos seus olhos, sentirá falta dos tempos que a vida era mais fácil, mais simples...
Seu coração ficará angustiado como se estivesse agonizando de dor, e você saberá então que isso é saudades...
Saudades dos tempos de criança, onde tudo parecia mais feliz, onde não existia maldade no mundo (pelo menos não na cabeça de uma criança), e onde ninguém fazia teu coração sangrar. Saudades da simplicidade, da falta de responsabilidade, do primeiro beijo, da primeira namorada, de não ter que precisar trabalhar ou fazer coisas que não gosta...
Saudades de poder passar a tarde toda rodeado de amigos...
E então, quando você desabares em lágrimas, sentirá vontade de poder viver tudo isso outra vez. Tudo mesmo! Até mesmo os momentos que por algum motivo te fizeram sofrer, pois isso não importará para ti, desejarás apenas voltar a ser criança, em querer voltar a ser apenas um garoto, e não mais um homem repleto de problemas e tristezas em seu peito. Todos nós carregamos cicatrizes, eu sei, cicatrizes essas que ficarão marcadas para sempre em nossas almas...
A morte de um ente querido, decepções ao longo da vida, ou mesmo às vezes em que magoaram teus sentimentos. E mais todos aqueles outros infelizes momentos em que o mundo nos fez sentir uma dor muito maior do que qualquer braço ou perna quebrada, e que por mais que  queiramos esquecer de certas coisas, são lembranças que nunca se apagarão de nossas memórias. Mas saberemos que no fundo, isso tudo serviu para nos tornamos mais fortes, foram momentos necessários de serem vividos, sentimentos indispensáveis de serem sentidos...
Mas mesmo assim, em sua mente circulará o pensamento:
Por que tudo parecia tão mais fácil quando eu era criança?

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Quem sou eu?


Um pouco de mim e do meu temperamento: inteligente, resistente, apaixonado, preguiçoso, enérgico, passional, curioso, atencioso, distraído, displicente, cuidadoso, indomável, auto confiante, pessimista, realista, ousado, profundo, persuasivo, intuitivo, emotivo, irritável, ciumento, autoritário, exigente, fechado, preocupado, caótico, ofensivo, impulsivo, leal, criativo, orgulhoso, imprudente, paciente, e também sou um mundo de contradições e não sou nada disso.
Sou o que acredita no amor eterno, mais não quer saber dele.
Meu coração usa uma máscara sem expressão que o deixa cada vez mais duro e frio quando ele quer totalmente o contrário.
Sou criador de uma ilusão e prisioneiro dela.
Sou o desenhista e modelo do meu desenho.
Todos os personagens e o ator que lhes da a vida no palco do mundo.
Sou um amontoado de coisas.
Sou um monte de músicas, um monte de filmes, um monte de séries, um monte de poesias, um monte de textos, um monte de livros e vivo um monte de vidas.

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Devaneios



Muitas das vezes em nossas vidas passamos por momentos difíceis, as vezes complicados, sem saída no momento. Temos sempre duas escolhas indesejáveis: esperar ou enlouquecer!
Por diversas vezes optamos por esperar que passe, ou que venha uma solução mágica para o que estamos passando. Esperamos que melhore mesmo sem essa possibilidade no momento, ou que piore quando temos outra opção.
Mas esperar é definitivamente uma escolha pouco eficaz e em muitos casos, covarde.
Se optamos em enlouquecer, fazemos muitas das vezes escolhas que levaremos as conseqüências pelo resto da vida, as vezes uma palavra certa dita num momento errado, as vezes uma atitude momentânea para lembranças de matar sonhos futuros.
Entendi que muitas das vezes, em momentos em que estamos parados sem saber o que fazer, olhando para um futuro desejável , ficamos a espera de opções que aparentemente não se tornam reais...
Vem a vida com toda a coragem e loucura que ela tem e nos empurra no desconhecido!
A primeira vista pensamos que cairemos em um precipício, onde certamente nos machucaremos, onde nos perderemos, onde não vemos opções de mudanças... Mas percebi que de tantos empurrões que levei, vi que quando eu caia, antes eu tropeçava em alguma coisa para que isso acontecesse...
Percebi que antes do precipício sempre há um degrau.
Esse degrau determina se você subirá ou cairá, a escolha é somente e exclusivamente sua. As vezes precisamos cair para se reerguer, as vezes entendemos o acontecimento e subimos mais, mas definitivamente esse degrau de reconhecimento é inevitável.
Que entendamos que todas as vezes que nos machucam, que ferem nossos sentimentos, que nos empurram para a vida, que não correspondem as expectativas, nos vemos sempre diante de um precipício onde teremos que ter coragem para nos jogar, mas que tenhamos sempre a visão de que sempre temos a opção de subir mais um degrau...

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

A procura da felicidade?



Eu não sou uma pessoa muito feliz, na verdade. Sério, às vezes eu acho que irrito as pessoas porque eu não sou feliz. Como se as outras pessoas fossem felizes, né.
Sinceramente, eu acho que esse negócio de ser feliz é uma coisa muito supervalorizada. As pessoas sempre falam:
- “Não, porque eu estou em busca da felicidade.”
- “Não, porque o importante é ser feliz.”
“O importante é você ser feliz” o cacete! O importante é ser esclarecido. As pessoas falam que ignorância é uma bênção, porque você pode ser feliz, por ser ignorante. Mas por outro lado, você está sendo ignorante. E eu também não sei se quero ser feliz ao ponto de querer ser ignorante. Para não ser ignorante, você paga um preço e o preço é não ser muito feliz, lógico.
Felicidade é só um sentimento no meio de vários outros. E aliás, é um sentimento meio raro. Você precisa de coisas específicas para ficar feliz. Eu acho que felicidade tá pro sentimentos, igual, sei lá, sorvete tá pra nossa cadeia alimentar. A gente precisa de sorvete tanto quanto a gente precisa de felicidade pros nossos sentimentos. Existem vários outros, às vezes mais importantes. Você não vai comer só sorvete na sua vida inteira, seu objetivo não é comer isso. Você tem que comer todas as coisas, até as ruins, porque às vezes faz bem.
Então, eu acho meio injusto as pessoas ficarem dizendo pras outras que elas tem que ser felizes obrigatoriamente, porque é muito difícil ser feliz. Eu, sinceramente, acho que as pessoas que são muito felizes, elas não são muito felizes de verdade, eu acho que elas estão me enganando. Se a pessoa é muito feliz, ou ela não tá entendendo absolutamente nada do que tá acontecendo ou ela tá me enganando muito bem.
Tem uns problemas de convivência se você não for uma pessoa muito feliz no meio de pessoas que se julgam felizes, porque quando você se assume como pessoa não muito feliz, as outras pessoas ficam ofendidas. Porque elas ficam assim:
- “Nossa, mas como é que você pode ser infeliz convivendo comigo?”
Ué, como é que cê acha?
A felicidade é uma coisa muito momentânea, ela passa muito rápido. É tipo comer um chocolate. Eu tenho certeza que se a gente fosse muito, exageradamente, feliz seria a mesma coisa que, sei lá, comer chocolate exageradamente: você fica enjoado e gordo.
Então, às vezes, eu falo que eu sou infeliz e as pessoas ficam assim:
- “Não, mas você não é infeliz! É porque você é pessimista. Você não vê as coisas duma forma boa.”
Eu sou infeliz porque eu vejo as coisas da forma como elas são. Eu só acho que, eu prefiro ser infeliz e entender as coisas como elas são, do que ser um falso feliz vivendo uma falsa realidade. Não é que as pessoas felizes sejam completamente enganadas, mas tem uma coisa muito errada aí no meio.
Eu acho que tem coisas piores do que ser infeliz, tipo ser um idiota. E tem muito bobo alegre por aí. Não é que a gente precisa ser mais feliz, são vocês que precisam entender melhor as coisas.
Então, se você é uma pessoa infeliz e é incomodado pelos outros por causa disso: não se preocupe. Porque felicidade não é uma coisa tão importante assim, você pode viver muito bem sem ela. Você pode viver muito bem sem comer sorvete. Pra falar a verdade, eu acho que ninguém sabe o que é ser feliz. Ser feliz não é falar que é feliz pros outros só pra ninguém te encher o saco. Eu não sei o que é ser feliz, eu só sei que não são essas coisas aí, não. Eu sei que, na posição de infeliz e esclarecido que eu estou, essas coisas já não me enganam mais.

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Dicionário dos Seriemaníacos/Série Maníacos



Ontem postei um termo no meu facebook e recebi muitas mensagens de pessoas que não faziam ideia de o que era. Tive que explicar a mesma coisa umas 20 vezes. Então, em meio a Fall Seasons, Hiatos, Hypes, Pilotos, Hits, Guilty Pleasures, Mid Seasons e adjacências, às vezes até os mais maníacos dos viciados em série ficam confusos. É por isso que resolvi fazer uma "vasta" pesquisa com todos (ou pelo menos os mais comuns) os verbetes relacionados a séries. É basicamente um dicionário (na versão micro) em que você encontra a definição desses termos que fazem parte do dia-a-dia de quem assiste séries.
1×01, 1×02, 2×02… : Essa é bem fácil e fica ainda mais se visualizarmos assim: 1 (temporada)x01 (episódio na temporada). E para facilitar ainda mais, um exemplo: House 5×15, que seria o décimo quinto episódio da quinta temporada de House.
Cliffhanger (gancho): É aquele final de episódio ou temporada que corta a trama no clímax da história e nos enlouquecendo, tentando adivinhar o que vai acontecer no próximo episódio. É o tipo de final que nos obriga a assistirmos o episódio seguinte. Pense em Lost, 24 Horas ou Prison Break.
Crossover: É quando uma série cruza com outra. Geralmente são séries do mesmo canal, e a união das duas em um episódio é uma forma de aumentar a audiência de ambas. Temos como exemplo o pessoal de Private Practice aparecendo em Grey’s Anatomy, o Stewie de Family Guy aparecendo em Bones e os CSI’s das diferentes cidades se encontrando.
Emmy Tape: A banca de jurados do Emmy precisa escolher as séries que serão indicadas ao prêmio, mas é óbvio que não tem como assistir a todas as séries exibidas no momento. O que os realizadores das séries fazem? Enviam aquela fita com o melhor momento da série, o filé mesmo, pra ganhar o interesse do votante. Essa fita é a Emmy Tape.
Fall Season: É a época do ano em que grande parte das principais séries voltam a ser exibidas nos EUA. O nome fall season faz referencia a estação do ano em que isso acontece, o outono (fall), que para o hemisfério norte começa em setembro. É quando volta House (Luto pelo término), Greys Anatomy e etc.
Fierce: Basicamente, é algo foda. É a abertura de Elementary, é o final de temporada de Prison Break, é uma decaptação em Game of Thrones. É um foda "pra-frentex" (termo um pouco tenso), se é que me entendem.
Flashback: Quando uma série retorna no tempo, para mostrar uma cena que pela linha cronológica da série já aconteceu. Geralmente representa alguma lembrança de um personagem. Alguém disse Lost?
Flashfoward: Sabe o flashback ai em cima? É a mesma coisa, só que se mostra o futuro, o que irá acontecer. O melhor exemplo é novamente Lost.
Frak: Termo criado na série Battlestar Galactica e que está sendo amplamente utilizado por série maníacos mundo a fora (essa eu não conhecia). Basicamente significa fuck, aqui poderia ficar como foda-se ou porra, algo assim.
Guilty Pleasure: É aquela série que você adora assistir, mas morre de vergonha e esconde isso de todos os seus amigos. Não se preocupe, todo mundo tem uma dessas. Se eu disser que um amigo meu assiste Glee, vocês acreditam? Pois é, não sou eu e nem posso contar quem é, senão ele me mata.
Hiato: Alguns seriados ficam um tempo sem serem exibidos durante sua temporada regular, tanto pode ser algumas semanas, como até meses. Esse intervalo é chamado de hiato. Como exemplo, temos Prison Break, que interrompia sua temporada durante meses, enquanto era exibida a temporada de 24 Horas.
Hit: Um sucesso. A série que mais deu certo durante uma temporada, que caiu no gosto dos blogueiros. Uma Game of Thrones.
Hype: É a famosa fofoca, os comentários de boca a boca que uma série traz. Às vezes corresponde, como em Glee, às vezes é uma decepção, como em Fringe. Não dá pra confiar muito no hype.
Jump the Shark: Ao pé da letra, “pular o tubarão”. Surgiu em um episódio de Happy Days, onde o personagem Fonzie pulou um tubarão em uma cena. O sentido mesmo é quando você está acompanhando sua série ótima, e de repente acontece algum evento tão ruim, mas tão ruim que faz com que a série toda vá ladeira abaixo, e nunca mais volte a ser boa. Como exemplos temos a Two and a half men sem Charlie Sheen, a tia Vivian de Um Maluco no Pedaço sendo trocada, entre outras.
Lead in: É o programa que é exibido antes de outro, geralmente com a missão de manter a audiência do que vem a seguir. Por exemplo, quando American Idol, que possui grande audiência, está sendo exibido, ele é o lead in das séries que vem em seguida, que são favorecidas pelo grande público que assiste o reality show. Mais do que tudo, é um conceito estratégico para maior alcance de público. Outro exemplo é Grey’s Anatomy, que é lead in de Private Practice.
Lead out (ver lead in): Se lead in é o programa que vem antes, lead out é o que vem depois, com a missão de reter a audiência do que foi exibido antes. Pode ser extremamente bem sucedido, como a dobradinha NCIS e The Mentalist, ou desastroso, como quando exibiram The OC depois de American Idol.
Mid Season: É a baixa temporada do mundo das séries. As temporadas dos principais shows terminaram e só devem voltar em setembro, quando a Fall Season recomeça. Mas não precisa entrar em desespero. Só porque todas as séries que você assiste estão em hiato, não significa que a Mid Season seja o fim do mundo. Esse ano, por exemplo, a Mid Season exibiu a segunda temporada de True Blood.
Mid Season Finale: O motivo de fazer esse texto. É o episódio que vem antes do hiato de uma série. Ainda não é o season finale, já que a temporada não acabou, mas por geralmente terminar com um gancho, para prender a audiência durante o período em que a série ficará afastada, é considerado como um mini-finale. Exemplo: The Walking Dead, que terá sua temporada interrompida e só volta no final de Janeiro/2013, se o mundo não acabar é claro. O último episódio exibido antes da pausa é o Mid Season Finale.
MVP: É a sigla Most Valuable Player, termo usado pela imprensa americana para indicar o melhor atleta em um evento esportivo. Foi adotada pelos fãs de seriados para indicar os atores que tiveram a melhor performance em um determinado episódio.
Nielsen: Nielsen seria o IBOPE, dos seriados americanos, só que medido em milhões de telespectadores, não em pontos. Simples assim.
Piloto: O primeiríssimo episódio que uma série produz. Muitas vezes, o piloto serve como um teste, podendo até ter seus rumos modificados nos episódios seguintes, de acordo com a resposta do público. Não é raro ver os pilotos vazarem antes mesmo das séries estrearem.
Season Finale: Basicamente é o último episódio da temporada de um seriado que irá continuar a ser exibido.
Season Premiere: Se uma série estreante passou no teste e irá voltar numa segunda temporada, a partir de então, todo primeiro episódio da temporada será conhecido por season premiere.
Series Finale: É o último episódio de uma série. Tanto pode ser planejado e fechando as pontas da história, como pode simplesmente acabar sendo um episódio qualquer, quando ela é cancelada abruptamente. Por exemplo: Heroes.
Series Premiere: É o início de uma série. Basicamente a exibição da versão final do piloto.
Shipper: Derivado da palavra relationship (relacionamento em inglês) é como se denominam as pessoas que torcem para que um casal de alguma série ficar junto. Acredita-se que o termo tenha surgido entre os fãs de X-Files, que torciam pelo romance entre Mulder e Scully. Os fãs ainda criam nomes para os seus ships (como são chamados os casais) favoritos, em House, por exemplo, Cuddy e House viraram Huddy, ou House e Wilson, que virou Hilson.
Showrunner: É o todo poderoso de uma série, ou para ser mais especifico, o produtor que tem a decisão final em todas as questões da série. Geralmente essa pessoa é também roteirista da série. Um bom exemplo é o do FILHO DA PUTA Chuck Lorre, diretor, produtor e manda chuva de Two and a half men. Mas temos também o Joss Whedon, Josh Schwartz…
Spin-Off : É uma série que deriva de outra. Pode acontecer quando algum personagem é tão carismático, e a série faz tanto sucesso que ele engata um programa próprio, como a Addison, que saiu de Grey’s Anatomy para estrelar sua própria série, como o mesmo personagem, em Private Practice. Como exemplos também temos Angel, que saiu de Buffy, e os milhões de filhotes de CSI, que saíram do original.
Spoiler: Traduzindo do inglês Spoiler, que vem do verbo “to spoil”, é estragar alguma coisa. No mundo das séries Spoiler é uma informação sobre o que vai acontecer no programa que estraga toda a surpresa para quem ainda não assistiu. Vamos dar o exemplo de um amigo meu chamado Roberto Ruiz, que ama dar spoilers pras pessoas.
Temporada (season): É um conjunto de episódios de uma série. Todo ano temos esse conjunto sendo exibido. Então, normalmente, uma temporada é igual a ano. Ou seja, tu pode chamar de segunda temporada ou ano dois. Tanto faz, o que interessa mesmo é que normalmente esse conjunto fica entre 20 a 26 episódios. Se for de TV a cabo normalmente diminui, algo entre 12. Se for inglesa, se prepare para míseros 6 episódios por temporada.
Upfront: É aquele momento em que as emissoras dão apresentações oficiais para revelar os novos projetos, novos rumos e, mais importante que tudo, o que foi cancelado e o que volta para nova temporada. Mais emocionante que apuração de escola de samba, temos como exemplo o caso de Chuck, que ficou na berlinda até o último segundo.

Bônus: Se vocês procurarem pelo termo "seriemaníaco" ou "Série maníaco", na 3ª página de fotos estarei lá... Que louco não?!
Espero que tenham gostado, deu um trabalhinho, mas valeu a pena. Até depois e se cuidem.

domingo, 25 de novembro de 2012

O mundo dá voltas?


E quantas pessoas falaram e me apontaram sobre minhas atitudes, sobre minhas decisões.
Disse que era errado, que eu fazia alguém sofrer, fazia alguém chorar.
Só eu sei o quanto me falaram disso, pensei muito sobre, muito mesmo.
Por diversas vezes duvidei da minha decisão.
Sexta tive minha "resposta".
Não fiquei feliz pelo que descobri, mas sei agora que tudo que me falaram não é e talvez nunca tenha sido verdade.
Agora me pergunto, onde foi parar todo aquele amor?
O pra sempre, sempre acaba?
O mundo dá voltas?
Talvez sim, talvez não, mas o que importa, é que a tristeza impera e as lágrimas caem.
Ninguém é feliz realmente nessa vida. Ansiamos coisas que não existem, nos contentamos com a tristeza, porque essa sim é real.
Todas as outras coisas apenas fingem parecer melhores que a tristeza.
As lágrimas caem por onde não se devem mais percorrer, por quem não merece mais cair.
As lágrimas só cairão o tempo necessário até que uma falsa ilusão apareça e me faça esquecer dessa tristeza que aperta meu coração.

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Caos


E no meio de todo o apocalipse dos "últimos dias", no meio de toda a gritaria e pânico.
No meio de todos os murmúrios e lástimas, pedidos e desistências, esperanças e descrenças.
No meio do caos, você descobre a paz, a raiva, o ódio, a tristeza, o amor, a alegria. 
Todos os sentimentos de uma só vez, tudo o que você deseja aprender em toda sua vida.

No meio de todo o mar de fogo, você acorda como se nada tivesse acontecido, como se seu sonho nunca tivesse existido.
Se senta, olha para um lado e para o outro, estica as costas e se levanta.
Caminha até o computador, descobre que são 4 da manhã se senta diante dele e grita mentalmente:
EU VOLTEI!
Como uma Fênix quando ressurge da cinzas, uma águia pronta para o ataque.
Você nunca se sentiu tão vivo em toda sua vida e resolve mudar sua maneira de ver o mundo ao seu redor.
E espera que isso dê certo.
E antes que o dia/vida termine você grita para si mesmo:
EU VOLTEI!

domingo, 8 de julho de 2012

Inimigo Invisível





Inside myself, I find myself

Hidden from the rainy world, with no help
Nobody else, nobody else
Is just me about myself, paying like whelps
Stepping into the chain, fulfill my anger
Fears no one, I'm no strange to the danger
A deathly concussion, playing with fire mixed with oxygen
Cause this will make it all spread
When everybody else in the building is dead, yeah
I see, is no discussion
It's all consequences of repercutions
Don?t make the swore like Lotus
Cause all you all got, yall, tear your motives
Yeah, the invisible enemy
Sometimes we're our own invisible enemy
The invisible frenemy
Everybody act like they all be friend of me
They got this hoax tendencies
Make me wanna surround like there's the enemy?
The beginning, the end of me, everything is blurry
Necessary to shoot and leave in a hurry
It?s been an eternity, trying to figure out my life, like
What?s life like, when the dark has win the light, light?



quinta-feira, 5 de julho de 2012


Um belo dia você acorda com uma dor no pescoço. Uma dor nas costas. Seus olhos ardem. Seus músculos ardem. Você tem dificuldades para se lembrar das coisas, você tem dificuldades para acordar. Você tem dificuldades para dormir, para engordar, ou emagrecer, dificuldades em chegar de um ponto ao outro, dificuldades em chegar ao ponto, você perde o ponto, perde tempo, ganha rugas.

Os dias passam, você respira fumaça, bebe água contaminada. Queima a pele do seu rosto pelos raios do monitor, bebe um pouco de café, se pergunta até que idade você vai sobreviver.
Pensa em se mudar para o interior. Pensa em parar de beber café. Pensa em comprar roupas novas. Pensa em matar alguém, pensa em se matar.

Um belo dia você acorda e se dá conta que está cansado.
Você se cansa da cidade, dos carros, das luzes. Você se cansa do lixo, das pessoas, do barulho. Se cansa de não saber para onde ir, se cansa de não ter para onde ir e precisar ir para algum lugar.
Você se cansa de não ter razão, de não ter caminhos, de não ter opções, se cansa de ver sua vida igual a de todos os outros, se cansa de ser de um rebanho sem pastor.
Você se cansa de chefes, deuses, impostos, moda, dinheiro. Você se cansa da sensação de estar desperdiçando seu tempo, você se cansa de não ter tempo algum para desperdiçar.
Você se cansa de viver em um mundo onde quem não está desesperado, está louco. Você se desespera com medo de enlouquecer. Respira fundo, acende um pouco de café.
Você se cansa de não saber exatamente do que está cansado. Se cansa do "alguma coisa está errada" que paira sobre o ar desde uma época que você não se lembra.
Se cansa das avenidas, das ruas, das alamedas, das praças, do sol, dos postes, das placas de sinalização, das buzinas.
Você se cansa de amores incompletos, de amores platônicos, de falta de amor, de excesso disso e daquilo. Se cansa do "apesar de". Se cansa do rabo entre as pernas, da sensação de estar sendo prejudicado, se cansa do "a vida é assim mesmo". Você se cansa de esperar, de rezar, de aguardar, de ter esperanças, cansa do frio na barriga, cansa da falta de sono.
Você se cansa da hipocrisia, da falsidade, da ameaça constante, se cansa da estupidez, da apatia, da angústia, da insatisfação, da injustiça, do frenezi, da busca impossível e infinita de algo que não sabe o que é. Se cansa da sensação de não poder parar.

E você não para, até que esteja morto.

quarta-feira, 4 de julho de 2012

I'm sorry




The first time we met time stood still
You left me breathless
Suddenly spechless
Within the hour we were one
Two total strangers kissing the moonlight

Oh, you know I'm sorry I had to go
I'm really sorry it had to die
I'm really sorry I made you cry
Cry

We fell in love between the nights
Of too many lovers and too many teardrops
And fate won't resist some satin sheets
I was so helpless, totally ruthless

Oh, you know I'm sorry I had to go
I'm really sorry you're hurt inside
I'm really sorry I made you cry
Cry, cry

Love is lifting you up and draggin' you down
Makes you go round and round and round
Time makes a stop then it's all gone
Funny how memories keep lingering on

terça-feira, 3 de julho de 2012

Chatterton


Chatterton, suicidou
Kurt Cobain, suicidou
Vargas, suicidou
Nietzsche, enloqueceu
E eu, não vou nada bem

Chatterton, suicidou
Cléopatra, suicidou
Isocrátes, suicidou
Goya, enloqueceu
E eu, não vou nada nada bem

Chatterton, suicidou
Marc-Antoine, suicidou
Van Gogh, suicidou
Schumann, enloqueceu
E eu, não vou nada nada bem 

Compositor: Serge Gainsbourg



quinta-feira, 28 de junho de 2012

Solidão


Solidão não é a falta de gente para conversar, namorar, passear ou fazer sexo... 
Isto é carência.
Solidão não é o sentimento que experimentamos pela ausência de entes queridos que não podem mais voltar... Isto é saudade.
Solidão não é o retiro voluntário que a gente se impõe, às vezes, para realinhar os pensamentos... Isto é equilíbrio.
Solidão não é o claustro involuntário que o destino nos impõe compulsoriamente para que revejamos a nossa vida... Isto é um princípio da natureza.
Solidão não é o vazio de gente ao nosso lado... Isto é circunstância.
Solidão é muito mais do que isto. 
Solidão é quando nos perdemos de nós mesmos e procuramos em vão pela nossa alma.

sábado, 9 de junho de 2012

Mano Brown - Um belo depoimento



O texto abaixo foi escrito por Mano Brown, em 2003. O interessante é que ele fala, de uma forma que a maioria consegue entender, o que tentam falar sobre relações raciais no ambiente academico brasileiro.

"Agradecimentos a toda putada real portuguesa e européia em geral pelo estrago que fizeram ao longo dos séculos no berço da humanidade - África e seus descendentes.
Thank you very much USA, por patrocinar a exploração, a inflação, a fome e a miséria do nosso povo.
São Paulo à tarde, uma criança negra, suja, aparentemente doente, caminha devagar até o farol. Pede um dinheiro a um cara branco num Diplomata preto. Ele dá uma merreca e sai todo orgulhoso, se achando o cara. No segundo farol, um moleque negro, 17 anos aproximadamente, atravessa entre os carros. O cara do Opala saca uma pistola automática no console do carro com os olhos arregalados. Ele tem medo, fecha o vidro do carro. O Brasil é isso.
Negro bom é aquele que não oferece perigo. Sem instrução, sem estrutura de família, sem ambição. Homem negro seja um bom cidadão. Acorde às 6h, pegue o ônibus às 7h, entre no trabalho às 8h, almoce às 12h, vá embora às 18h. Ganhe mais ou menos US$70 por mês. Depois de muita correria, cale a boca e vá dormir que amanhã cedo é dia de "branco" - isso se você for um privilegiado que ainda tem um emprego e trabalha de carteira assinada e tudo, numa dessas multimilionárias empresas estrangeiras. Não exija muito. Seu pai não exigiu, seu avô também não, seu bisavô muito menos. Ele era escravo. O bisavô do seu patrão também era patrão.
Hereditariamente, ano a ano, tudo no devido lugar, tudo pela branca ordem, explorados e exploradores. Tudo na mais perfeita ordem e progresso. O povo africano foi trazido seqüestrado para o Brasil numa época em que o continente africano estava em ascensão, para ser utilizado como animal doméstico, sem direito a opinião própria, religião e, pasmem senhoras e senhores católicos, sem direito a comer, com exceção dos restos. Não é de agora que o Brasil tem cadeira cativa entre os hipócritas e mentirosos.
Catolicismo hipócrita que até nos dias de hoje ilude nosso povo com as promessas de vida melhor após a morte, enquanto eu assisto meu povo morrer mais cedo por maus tratos e desilusões. Igreja hipócrita que deu a sentença de morte cerebral e física lenta e dolorosa ao povo negro, aceitando naturalmente um dos piores momentos da História em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, Amém.
Hoje, o sistema tenta tapar o sol com a peneira fazendo uma COHAB aqui, outra ali - sempre bem longe do centro, é claro.
Muitas pessoas insistem em perguntar porque os afro-americanos conseguiram espaços em tantos setores da sociedade americana e os brasileiros não conseguiram muita coisa, além de Pelé e ... Não sabemos com quem lutar, todos dizem que são nossos amigos. Nos Estados Unidos a arma é apontada pela frente, os brancos de lá são menos covardes. No Brasil, a arma é apontada pelas costas. A segunda posição é mais cômoda pra quem segura a arma e torna a defesa mais difícil para quem é o alvo. Um exemplo simples:
Ku Klux Klan - organização de extrema direita branca que agia no sul dos Estados Unidos atacando pessoas negras declaradamente;
Grupos de Extermínio - os "pé-de-pato", como são conhecidos aqui na zona sul de São Paulo. Agem em São Paulo e Rio de Janeiro, matando mais que a KKK e o FBI juntos. Só que não é divulgado que a cada dez mortos, sete são negros;
Justiceiros - grupos de extrema direita, formado por pessoas brancas, negras, pardas, policiais, bandidos, comerciantes ...
Eu cresci assistindo televisão pelo menos oito horas por dia e sempre tinha aqueles galãs fabricados dizendo "compre isso, compre aquilo, alugue aquilo outro". Meu povo quando foi abolido por lei não recebeu nada como pagamento, nem indenização, nem terra pra plantar, nem liberdade de escolha. O Brasil é um país capitalista onde as pessoas valem o que têm - propriedades. Meu povo foi roubado e deserdado, não tem propriedade. É FODA! O povo que trabalha na terra não tem terra pra plantar e construir suas casas. Ninguém se responsabiliza, todos tiram o cu da reta.
Meu povo está se recuperando devagar de um nocaute na nuca, sem herança, sem nenhum alqueire e nenhuma mula. Sem apartamentos em Moema, restaurantes na Bela Vista ou lojas nos shopping centers. Sem direito a moradia e escola dignas. Mas está se recuperando sem a ajuda de ninguém. Por enquanto, estamos convencendo nossas crianças que elas não precisam ter longos cabelos louros e olhos azuis pra serem grandes homens e mulheres. Não precisam usar calças da Zoomp ou M. Officer ou andar com braço pra fora nos Tempras e Ômegas. FODA-SE TUDO ISSO. Sem mais, Mano Brown. Capão Redondo (SP), favela. Cada um com seus problemas - Poder para o povo preto - Revolução.
Mano Brown"

quarta-feira, 30 de maio de 2012

...



Você está
Em todo lugar que eu não vou.
Em toda noite que não durmo.
Em todo plano que não concluo.
Com todo mundo que não conheço.
Em toda ligação que não atendo.
Em cada mensagem que não envio.
Em cada cama que não me deito.
Em cada sobremesa que não como.
Em todo tempo que não faço.
Em toda hora que não estou calmo.
Em toda sala sem barulho.
Em todo abraço que não recebo.
Em toda vez que eu desisto.
Em todas as roupas que eu compro.
Em todas alternativas que não escrevo.